Notícias

   Ciclo de debates promovido pela Abes-RS mostrou as dificuldades de implementação da Logística Reversa para os entes público e privado


02/12/2015

Com o tema "Logística Reversa: Um desafio para a Gestão de Resíduos Sólidos", a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental seção Rio Grande do Sul (Abes-RS) promoveu na quinta-feira (26/11), mais uma edição do Ciclo de Debates Repensando o Desenvolvimento Sustentável. O evento, realizado no auditório da Fundação Getúlio Vargas, em Porto Alegre, teve como painelistas a promotora de Justiça e coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Consumidor do Ministério Público do bRS, Caroline Vaz; a advogada e mestre em Direito Ambiental, Fabiana Figueiró; e o engenheiro e analista técnico do Conselho de Meio Ambiente da Fiergs, Tiago Pereira Neto. O mediador do debate foi o engenheiro químico e integrante da Câmara Técnica de Resíduos Sólidos da Abes-RS, Mário Saffer.

O foco principal dos painéis foi a Política Nacional de Resíduos Sólidos que prevê a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em outros ciclos produtivos, ou outra destinação ambientalmente adequada, no processo denominado logística reversa. Nele, envolvem-se diferentes atores como consumidores, comerciantes, indústrias e governo, cada um com funções específicas.

A promotora de Justiça Caroline Vaz falou das dificuldades de implementação da logística reversa entre os diferentes setores. Lembrou que a lei que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos trouxe instrumentos importantes como a responsabilidade compartilhada e diretrizes para fornecedores e para os consumidores.

- Devemos observar a não geração, a redução de resíduos, a reutilização, a reciclagem, o tratamento dos resíduos sólidos e a disposição final ambientalmente adequada, pontos que devem ser considerados pelos produtores e pela sociedade - salientou Caroline Vaz.

Segundo ela, a logística reserva está sendo implementada muito lentamente no Rio Grande do Sul e no Brasil, estando o Ministério Público empenhado em agilizar esse processo, especialmente no âmbito regional.

- Temos urgência para que a logística reversa aconteça - apontou Caroline.

A lei que institui a Política Nacional dos Resíduos Sólidos completou cinco anos em 2015, e o prazo estipulado na legislação para que os municípios se regularizem já esgotou. A promotora enfatizou que o artigo 33 da lei n° 12.305/10, em seu texto, determina que os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de agrotóxicos, pilhas e baterias, pneus, óleos lubrificantes e seus resíduos e embalagens, lâmpadas fluorescentes, produtos eletroeletrônicos e seus componentes, se obriguem a estruturar e implementar logística reversa mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos.

A advogada Fabiana Figueiró, por sua vez, destacou que a demora na implementação da logística reversa instrumentalizada na Política Nacional de Resíduos Sólidos traz um efeito psicológico negativo por falta de adequação dos atores do processo e gera insegurança jurídica pela falta de cumprimento da legislação.

Para Fabiana, o assunto é extremamente importante para o setor produtivo e para consultorias técnicas já que a legislação federal cria novas obrigações e exige cuidados que vão desde a contratação de fornecedores e escolha de matérias-primas até a forma de destinação dos resíduos gerados.

- Agentes públicos devem estar atentos para os reflexos das novas exigências legais em suas ações e nos licenciamentos ambientais, interagindo com os novos atores e instrumentos criados. A indústria está sendo chamada a montar sistemas de recolhimento de diferentes resíduos - pontuou.

O engenheiro Tiago Pereira Neto recordou que o Brasil viveu, por muitos anos, um vácuo na gestão de resíduos sólidos pela falta de uma política pública ambiental, algo que foi superado com a Lei 12.305/10. Hoje, alguns instrumentos já são aplicados diretamente nas indústrias, como a logística reversa e o plano de gerenciamento de resíduos.

O painelista também falou sobre algumas ações que os empresários devem executar para ajudar a implementar a política de resíduos sólidos, especialmente os ligados as áreas da indústria e do comércio.

- O sistema de logística reversa traz novas responsabilidades na destinação final dos resíduos pós-consumo. Todas as empresas de um determinado setor devem estruturar sistemas para o recolhimento dos materiais. O comércio que recebe os materiais enquadrados na política também é solidário na responsabilidade de destinação adequada através dos distribuidores que deverão devolver os resíduos para as indústrias - finalizou Tiago.

O Ciclo de Debates Repensando o Desenvolvimento Sustentável foi coordenado pela 2° Secretária da Abes-RS, Ana Elizabeth Carara.

 Fonte: http://www.abes-rs.org.br

 

picture




https://www.myphotostash.com https://www.blxsk8.com https://www.colinjoss.com http://www.kickbacktimber.com https://www.thecharmingfox.com http://www.leecoreyoswald.com http://www.newhydeparkdeli.com https://www.he-chiks.com/ https://www.trollerikiz.com http://www.lautanarchive.com replica bags replica handbags replica bags hermes replica hermes replica hermes replica goyard replica replica handbags replica handbags hermes replica replica handbags replica bags replica handbags replica hermes replica hermes replica hermes replica goyard replica bags replica bags replica hermes